Dalila

Ela nasceu no Rio grande do norte. Numa cidade chamada Ribeira. nem faço idéia de como ela vivia em sua adolescência. Casou com um cara um pouco mais velho q ela(ela tinha soh 14 anos) e depois que sua mãe vendeu tudo e foi para o rio de janeiro ela foi atrás, carregando marido e três filhos. Esse pequeno resumo da história não conta com muitos detalhes, infelizmente, e continua no ponto em que o casal se instalara na ilha do governador, Rio de Janeiro, com sua familia. Moravam em um barraco, no bairro que hoje se chama pitangueiras, se não me engano. João era um cara violento, da forma que o preconceito daquela época costumava conceber, e a menina que saíra de casa adolescente já era sua mulher. Imagino o quanto ela deve ter sofrido nas mãos dele. Mas João, apesar de ser um cara que não se encaixaria de maneira nenhuma nos padrões da sociedade de hoje, era um cara safo. Tornou-se marceneiro da marinha e foi-lhe dada uma propriedade na colônia de pescadores Z-10. O casal teve 10 filhos se não me engano. João, Jezélia, Jônatas, Josete, Josias, Josélia, Josebias, Jessé, Jaciara e Jonas. A vida de Dona Dalila foram essas 10 pessoas que ela botou no mundo. Não tive tempo de conhecê-la como eu gostaria, e milhões de coisas que eu gostaria muito de perguntar eu vou ter que esperar minha própria morte pra poder fazê-lo. Não tem problema. Uma das ultimas coisas que ela pediu em vida foi para que minha mãe não deixasse a gente se esquecer dela. Não esqueci vó. Não vou esquecer nunca da vitrolinha com as dezenas de discos de vinil, de sua fé apesar da circunstâncias, e principalmente da sua presença… Você não imagina como ela é importante. Um grande beijo do neto.