Morte, morte eu te procuro
sorte sua não encontro.
e meus cortes
não parecem tão profundos
a minha paz, a minha ira
a solução, o contraponto
fazem parte deste surto
são estrofes de meu conto.

O coração acelera independente
e eu descontrolado
me lanço contra a parede
peço que pensamentos assim
se afastem da minha cabeça
peço que Deus tenha pena de mim
misericordia, alguem por favor,
encontre algo dentro de mim
que valha a pena salvar
não sei o que sou, o que vou me tornar
apenas observo e não choro
meu silêncio vai testemunhar.

Morte, morte, te menosprezo
sorte sua, estou desperto.
e meus cortes
elevam o meu porte imundo
o meu medo, o meu instinto
não sei se é certo.
minha taça de absinto
parece maior que o mundo.