Lembrança do Último capítulo

vintlaezA bela Marri’ahnna Oares Lima nasceu em uma família enorme de artistas, o Circo Lima. Ela cresceu nessa comunidade, aprendendo a ser uma genuína barda dos Lima, mas seu desejo por aventura e emoção a fez se envolver com a guilda de  ladrões em ascensão, sediados em Lisboa: os Sombrios. Essa relação trouxe a gradual reprovação de seus pais, começando pela pessoa que a levou até os sombrios, seu primeiro amor, uma mulher mais velha, chamada Manoella.

Com forte influência de Manoella, Mari passou a ganhar dinheiro após o término de seu treinamento, na maioria das vezes enganando os turistas que visitavam a cidade do Porto. Mas quando o relacionamento com Manoella começou a dar errado, Maria foi traída pela amante e seu pai, Andrade, descobriu que a filha tornara-se uma chantagista e por fim a expulsou do circo.

Assim, Mari não continuou seu aperfeiçoamento como barda e foi enviada para um tio proscrito, até a distante capital ultramarina: Bahia. Sua briga com Manoella levou-a a conhecer os separatistas entre os sombrios, que chamavam-se “lâmina” e muito visitavam o convento onde estava enclausurada, sem saber que essas amizades a ajudariam futuramente.

O tempo passava sem notícias de sua família nem da traidora Manoella, então Maria resolveu fugir, e acabou perdida na floresta. Nessa floresta Mari encontrou as ruínas de uma curiosa mina anã, e descendo pela escuridão conheceu  o proscrito que seria seu novo mestre.

A existência do tráfego de raças mágicas, capitaneada pelos Sombrios, que estavam implantando sua sede ultramarina, fez com que Marri’ahnna fosse à Bahia procurar o homem chamado Palomar, um colono, que além de ser dono de grande extensão de terras, era um dos poucos latifundiários que se posicionava contra o rapto de negros, índios e raças mágicas. Ele impediria que Mari fosse encarcerada novamente no convento, para que  acertasse as contas com Manoella e os sombrios.