Resenhas Cine-RPGísticas 01

Será possível, ao resenhar sessões de cinema extras do meu fim-de-semana, tirar desses filmes alguma lição RPGística? Bem, depois do interessante e Curioso caso de Benjamin Button, me coloquei diante de dois filmes esperançoso, filmes sobre os quais me alongo nesse post.

Vambora?

O Nevoeiro e O Reino Proibido

O Nevoeiro é mais um filme de terror que eu não consigo assistir até o fim , a princípio, um decepção (depois eu vi o final, q também foi frustrante). Ótimo, pois fiz uma pesquisa informal aqui no trabalho e parece que o pior desse filme é o final. Interessante notar o “inexplicável” de H.P.Lovecraft bem claro na produção, criaturas terríveis que se erguem repentinamente para retomar o que sempre foi deles: o mundo. Mas não sei se eu, ao filmar algo que remeta a Lovecraft, optaria por mosquitos gigantes ou mini-pterodáctilos (aos meus olhos parecem clichês batidíssimos)… Maaaaas sei que tentáculos, ainda que batidos, são sempre amedrontadores!! A lição que tiramos é básica: não coloque qualquer monstro em suas aventuras de RPG, faça com que o monstro tenha um bom motivo para estar lá, ainda que você não revele esse motivo aos jogadores.

Minha outra revolta com o filme é o desinteresse em desenvolver personagens, pombas, você não tem tempo de se apegar à eles e o filme já vai matando um por um indiscriminadamente! Por favor, mestre de RPG, não faça isso com os personagens dos jogadores e NPCs! Deixa que todo mundo na mesa pegue uma afeição aos personagem da história, e depois, caso alguém morra, faça que essa morte tenha um impacto correspondente à importância do personagem na trama. Tenho impressão de que nesse filme o diretor queria filmar algo do tipo “A Premonição”, que é o tipo de filme em que o telespectador fica tentando descobrir de que jeito bizarro o próximo personagem(que ninguém sabe direito quem é) vai morrer. Acaba tudo num jogo de adivinhação, ganha a pessoa que adivinhar mais…

Antes de tentar ver o nevoeiro (o que foi frustrante), eu tinha visto “O Reino Proibido”. Particularmente adoro essas lutas de kung-fu coreografadas, e ver a porrada comer é sempre legal. Não me decepcionei porque eu já sabia o que esperar de Jackie Chan e Jet Li… E o mais legal de tudo é que, comparando com o que normalmente encontramos em mesas de RPG, o filme é uma “one-shot session” onde temos um grupo heterogêneo buscando aquele objetivo frívolo em comum. Dá pra considerar ‘O Reino Proibido” um ótimo filme se compararmos com uma história ordinária de RPG(ahahahah). Mas como fiiiilmeeeeeeee mesmo acho que esse tal reino proibido entraria naquela seleção dos que sempre passam durante a madrugada nas TV’s a cabo, mas ninguém assiste.

Saudações a todos.