Finalidade

Existem algumas perguntas que qualquer leitor faz a si mesmo quando está a escolher algum livro simplesmente por diversão, e eu ando pensando em uma delas especificamente. Qual é o objetivo do autor quando escreveu a obra?
Pode parecer que esta indagação não se relacione com nosso Hobby, o RPG, mas acredito que ela deve nortear nossas direções enquanto mestres e condutores do jogo e até mesmo jogadores.

Qual é a finalidade do mestre de jogos quando escreve uma aventura? Eu acredito que um bom romancista ou um bom escritor deva ser julgado não somente pela história que conta, mas também pelo objetivo que o leva a escrever seu conto, sua história. O mestre de jogos deve então se preocupar com a finalidade de suas aventuras? Aventuras planejadas para um final de semana em que reunimos amigos devem ter alguma finalidade além da pura e simples diversão?

Eu acredito que deve haver um esforço da parte do mestre para nortear a aventura nessa direção, embutir algo mais do que a nobre jornada em resgate à bela princesa, ceifar a vida de dragões ou cumprir objetivos determinados por líderes da Camarilla. Não acredito que seja simples, mas já que vamos colocar a cabeça para imaginar situações; porque não combater a miséria e a fome, impedir que o aquecimento global avance ou diminuir um pouco o buraco na camada de ozônio em nossas aventuras?

E como fazê-lo? Ora, não há uma fórmula mágica, mas já que paramos afim de refletir sobre isso podemos imaginar rapidamente alguns ganchos que aventuras tradicionais costumam deixar. O caso da princesa no castelo por exemplo, é praticamente um cárcere privado, e esse tipo de atitude merece ser bem representada e detalhada porque a violência contra as mulheres é um mal da sociedade atual. A respeito do Dragão, existem espécies de Dragão benevolentes e eles normalmente são criaturas raras, dando oportunidade para que um aventura faça os jogadores se voltarem para a questão dos animais em extinção e do tráfico de animais silvestres (e como isso me lembra o King-Kong!).

Existem várias outras temáticas que podem ser tratadas em jogos de RPG que tocam a psicologia, sociologia ou serviço social. Todas essas idéias estão bem na nossa cara, no jornal de domingo ou em revistas. Basta um pouco de esforço e teremos um Hobby cada vez mais nobre, acredito que é um degrau que logo estaremos galgando com o RPG, e isso com certeza contribui para a divulgação do RPG não só como passatempo mas também como uma nova forma de arte.

Saudações J.Berkel