Como Usar Literatura no RPG?

day_of_judgment.full copyO conceito de literatura é um pouco complexo, mas por causa das dimensões a que chegamos hoje com nosso hobby (o RPG) pode-se dizer que SIM! É literatura! A questão é: Como fazer com que meu RPG, aquele na mesa da sala lá de casa, se torne digno desse nomezinho bonito, “literatura”.
[ad#ad-3]

O título do post poderia ser interpretado de outras formas, mas deixo claro aqui que a idéia é a seguinte: “Quero tornar minhas sessões de RPG suficientemente dignas para que possam ser consideradas literatura”. Enfim, acredito que temos de encontrar um Equilíbrio entre jogo, interpretação de papéis e a literatura. Vejamos então um breve esclarecimento sobre estas facetas do RPG:

Jogo

Sim, RPG é um jogo, o que significa que nosso objetivo com essa livrarada, papelada e dados é simplesmente e justamente a diversão. Não vai adiantar trucidar orcs e salvar a princesa se você no final não tiver aquela sensação de que valeu a pena, foi divertido.

Interpretação de personagens

Quando falamos de RPG temos um jogo que interage com os jogadores e com uma história. Interpretação de personagens é o meio termo entre jogo e literatura, as outras duas facetas do RPG englobam esta aqui e se ninguém fingiu ser uma outra pessoa, um outro “ser”(ou a sua própria pessoa) na sua aventura, sinto dizer que você não jogou RPG.

Literatura

A questão da Literatura do RPG, é simplesmente o fato de que nós contamos histórias. Construimos nossa história à medida que os fatos são descritos pelo “Mestre de jogos” e vivenciados pelos personagens criados pelos jogadores.  Existem outros fatores bastante relevantes para estabelecer um padrão que possa separar o que é do que não é literatura, mas nosso hobby tem uma boa aceitação no mundo, o que nos deixa à vontade para dizer: “É LITERATURA SIM, E O SINHÔ PRECONCEITO VAI SE FERRAAAR!”

Esclarecida essa “dicotomia simplista” do RPG, vamos então para o que nos interessa: -Como tio, eu vou fazer que minhas aventurinhas doces e meigas se tranformem em algo que tenha algum valor literário?

Primeiro eu vou colocar minha opinião sincera, rapaz, acredito que até mesmo um grupo de aventureiros invadindo e trucidando um calabouço repleto de monstros para pegar a espada vorpal no fundo do labirinto pode ser literatura! A questão é contar a história, e por isso recomendo enfaticamente que mestres e jogadores sempre parem em casa para fazer resuminhos de suas jornadas, nem que esses resumos tenham 5 linhas! Alguém em todo grupo deveria ter essa função de “diário de campanha” (faça um blog, ora!). Contar verbalmente a história é interessante também, se isso é feito usando-se a linguagem comum(nada de “ErRPGeês” e sim nosso bom e velho portugês que qualquer pessoa comum compreende).

Estabelecido que temos uma história escrita ou contada verbalmente, ou seja, temos LITERATURA(êêêê) chegamos ao nosso ponto: Como tornar essa literatura MAIS literatura?

Mas, vou deixar isso para postar amanhã, ainda estou de férias, dá uma preguiça enorme de escrever!

Saudações J.Berkel

1 comentário

  1. gabpattz disse:

    Olá! Tudo bem?
    Você gosta de ler né? Eu também adoro. Mas enfim, eu queria te convidar para entrar no meu blog e ler a minha história.
    Então leia e se gostar me ajude a divulgar para todos!
    Muito obrigada! 1000beijinhos e eu te espero lá!

    Curtir

Os comentários estão encerrados.