Sobre Amizades

Chega um momento em que amizades precisam ser cortadas. Uso a expressão “corte” porque não é algo que me deixa feliz. É incômodo e até triste. É claro que nem toda amizade encontra seu termo, e quando encontra algo que se possa determinar como “termo”, a expressão normalmente não
que dizer separação e sim entendimento.

Quando “termo” é sinônimo de rompimento de relações é porque julguei ser impossível tal entendimento, e em se tratando de amizades, creio que os dois lados devem ceder vez por outra. Pro inferno com a inflexibilidade, eu tenho lá minha cota de flexibilidade (sou capaz de abrir mão de meus juízos em prol de manter uma amizade, por exemplo) e julgo que até exagero na dose. Tenho direito de cobrar certa flexibilidade e refutar qualquer um que se julgue certo sempre e se aproxime repleto de justificativas fajutas para seus atos. Atos justos não necessitam de justificativas, eles são justificativas por si só.

Mas se engana quem acha que essa separação é cruel, uma forma de castigo. Muito pelo contrário, acredito que algumas vezes as pessoas vão alcançar um estágio superior de consciência sem ter o “migo joe” participando de suas vidas.

Amigos, acreditem, algumas vezes não me ter como amigo é o que vocês fazem de melhor.

Sendo assim, se você alguma vez se considerou meu amigo e parece que as coisas não são mais as mesmas, não é por mal filhote… Faz parte do tempo, e vai passar…