Séries 2016

Cara… 2016 vai acabar e eu declaro que esse é o ano em que mais vi séries. Não sou “louco das séries”, mas durante esse ano tentei várias. Então acho que cabe fazer uma relação daquilo que tentei e consegui e daquilo que tentei e não consegui.

Não rolou: 3%, Luke Cage.

Começando pelos acontecimentos mais recentes, vamos falar de 3%. Não deu gente. Diálogos inverossímeis, a tentativa bem sucedida de ser um “jogos vorazes” piorado e personagens que se esforçam em se tornar cada vez mais chatos a cada episódio. Acho que durante 2017 consigo terminar de assistir. Já Luke Cage pareceu muito interessante, mas um fato determinante e exagerado me tirou de jogo… O que pretendia ser dramático e impactante me provocou um ataque de risos histérico e encerrou definitivamente a série para mim.

Rolou: Stanger Things, Westworld, The OA.

Bem, o que mais me surpreendeu, capturou, aprisionou este ano foi Stranger Things. Talvez por ter me lembrado a época de infância, dos filmes que eu via e da atmosfera da época que o filme conseguiu capturar. Westworld foi encarado por mim como um desafio, e fiquei satisfeito de ter solucionado sozinho alguns mistérios do plot. E agora estou vendo The OA, que não me cativou como as duas anteriores, mas eu estou curioso para ver o nível de surto e abstração a que eles vão chegar.

Essas foram minhas tentativas de séries no ano de 2016. Claro, vi algumas séries mais antigas como Black Mirror, mas isso é assunto para outro post.