Erosão

Tenho trabalhado
na minha evaporação
delicada, na espuma do mar
Eu quero desestar.

As palavras jorram
o meu, o meu, o meu…
não quero, absolutamente, nada
nessa conturbada água.

Invadido, desamigo
não-amado, exigido
como vocês conseguem ser
absurdos, feitos de morrer?

Tenho esculpido
em palavras meu jazigo
abstratas, àvidas por amar
Eu quero, só, segredar.