Erosão

Tenho trabalhado
na minha evaporação
delicada, na espuma do mar
Eu quero desestar.

As palavras jorram
o meu, o meu, o meu…
não quero, absolutamente, nada
nessa conturbada água.

Invadido, desamigo
não-amado, exigido
como vocês conseguem ser
absurdos, feitos de morrer?

Tenho esculpido
em palavras meu jazigo
abstratas, àvidas por amar
Eu quero, só, segredar.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s