Presságio ao povo da onça

(Giovani Gomes) Sair para caçar era o que eu mais gostava de fazer, normalmente ao lado de Longas Garras, que, entre seus chiados estridentes, sempre encontrava tempo para sorrir e brincar. Mas, naquele dia, até seus sorrisos estavam tímidos, porque ficou tarde e não conseguíamos encontrar nada. Ela me olhou através da fogueira, ponderando. — Hum……

Terno vermelho

(Jefferson Sarmento) – A gente tem vida de trote, mas quando aparece o homi do terno vremeio, aí cê num manga do vigário não que é hora de acertá as conta. Segura esse misera aí, Baguio. O jagunço agarrou o Juvenal pelas bolas e fez o rapaz se ajoelhar de dor. Mas Zé Baguio teve…

Poema em linha reta – Fernando Pessoa

(Álvaro de Campos) Nunca conheci quem tivesse levado porrada.Todos os meus conhecidos têm sido campeões em tudo. E eu, tantas vezes reles, tantas vezes porco, tantas vezes vil,Eu tantas vezes irrespondivelmente parasita,Indesculpavelmente sujo,Eu, que tantas vezes não tenho tido paciência para tomar banho,Eu, que tantas vezes tenho sido ridículo, absurdo,Que tenho enrolado os pés publicamente…